30.9.04

A lágrima

PROBLEMA 224
Tenho uma amiga alentejana que me coloca dois desafios: montar um negócio de palha para burros e recordar Rimbaud -"Por delicadeza/ Perdi minha vida/ Ah! que venha o instante/ Que as almas encante."
Tenho um amigo do peito que me diz que de vez em quando o mundo que ele conhece vai desaparecendo.
Tenho uma lágrima.

29.9.04

Sinais

PROBLEMA 223
Sabia que tinha de estar a acontecer algo de especial. Ontem à noite, dizem-me, faltou a electricidade em Caxias; uma avaria no ar condicionado no S.Jorge transformou a sala do cinema em autênticos fornos; o vulcão do Monte Santa Helena, no Noroeste dos Estados Unidos, ameaça acordar, parece estar novamente inquieto; uma avaria no equipamento de aterragem do aeroporto de Lisboa obrigou 14 voos a dirigirem-se para outros aeródromos devido ao intenso nevoeiro; e ainda às 2.30 da tarde de hoje o asteróide Toutatis passou a 1,500,000 km da Terra. Parece muito, mas em termos cósmicos não é. Não voltará a passar tão perto nos próximos 500 anos. Caso chocasse contra o nosso planeta podia provocar a extinção de grande parte da humanidade.


O esparguete e a sopa

PROBLEMA 222
Hoje, ao almoço, as coisas não correram lá muito bem. O movimento de rotação do garfo fracassou de tal forma que acabei por desistir de comer esparguete. Acabei por ter melhor sorte com o movimento de translação da colher à volta do prato de sopa. Mas estou de rastos. Nunca pensei que um movimento de translação me deixasse assim...

Uma manhã na estação

PROBLEMA 220
O risco de sujar as calças no rabo aumenta 50 vezes se nos sentarmos nos bancos dos comboios à hora de ponta. Foi o que aconteceu a uma moça, bela e vistosa, que bamboleando-se toda à minha frente fez com que eu reparasse numa nódoa enorme que ela trazia na zona do cóxis. Estive uns bons 50 metros a andar atrás dela e o meu olhar não se desviava. Aquela nódoa estava a estragar tudo. Não me deixava apreciar como deve ser o fio dental…

PROBLEMA 221
Enquanto não vou para Tóquio, gosto de me sentar no café da Estação de Santa Apolónia. Em ambiente fechado, regalo-me a ver aqueles pombos, saídos não sei de onde…a depenicarem as migalhas de pão de um pequeno almoço digerido à pressa porque o comboio parte daqui a cinco minutos e a linha fica do outro lado. Tudo isto enquanto ao balcão rostos estranhos consomem álcool para suportar as agruras do dia que está a começar. Mas só depois de algum tempo é que me apercebi: não eram pombos, afinal, mas mendigos que se arrastavam pelo chão.

28.9.04

A vergonha, a alma e a neblina

PROBLEMA 217
Dentro de alguns séculos, estes meus escritos serão a minha vergonha. Se não forem já…

PROBLEMA 218
Se eu pudesse passear no cérebro de alguém teria de percorrer longas distâncias mas só veria nervos eléctrica e quimicamente activos. Desconfio que não encontraria alma nenhuma.

PROBLEMA 219
Há manhãs, em que a neblina faz parte do mundo da minha consciência, em que me apetece ir ler para um café. Como hoje. Imprevisto foi um senhor de barbas brancas, vestido com uma túnica e de sandálias de atacador sentar-se na minha mesa. Revelando-se muito conversador, não parou de me fazer perguntas. Até que eu próprio lhe perguntei: “Conheço-o de algum lado… Por acaso, o senhor não é Sócrates?

27.9.04

O mal e o bem

PROBLEMA 216
Mesebel recebeu uma carta de Pauris:
"Fazer o bem é uma prática no quotidiano, na vida dos nossos dias se quiseres. É estares doente e tratarem-te; é seres uma estrangeira e acolherem-te; é estares presa e irem visitar-te; é teres fome e darem-te de comer. Ora, no mundo presente, fazer isto não é nada fácil. Por isso, há tão poucos que o façam! "

A dúvida

PROBLEMA 215
Demasiado individualista, indisciplinado, subversivo. Desafia com um sorriso sardónico a autoridade do chefe. Quem é este?
a) Eu.
b) Corto Maltese.
c) Outro. Quem?


26.9.04

Rio Ave,0 - Sporting,0

PROBLEMA 214
Mais um mau resultado. E vão três jogos sem marcar um golo. A paciência para Peseiro e Pinilla começa a esgotar-se. Quanto a Peseiro, ficou sem o fato em Setúbal, a gravata com o Marítimo e agora desapertou os botões da camisa. A roupa do Rei está a cair.

Consciência de

PROBLEMA 213
Comecei a morrer a partir do momento em que soube que ia morrer. A minha gata lambe-se toda quando lhe digo isto.

Problemas no Japão

PROBLEMA 212
Para a semana vou passar sete dias ao Japão. Estou com algum receio, mas prometo tentar todos os dias narrar aqui os problemas com que me vou debater num país desconhecido para mim. Para me precaver, levo comigo o DVD do “Lost in Translation”. Pode ser que isso me ajude.

25.9.04

Morra a ratio, morra. Pim!

PROBLEMA 211
O sistema racional de Jamenel pifou. Agora ele vê de longe a vida, nunca a interroga, vive simplesmente. Segue o destino dele. Rega as plantas e colhe batatas da terra. O resto são sombras. Tomara que o problema não se resolva, sonha.

P.S. A palavra razão, vem do latim ratio, e significa divisão. Morra a ratio, morra! Pim! Uma geração com uma ratio a cavalo é um burro impotente!

Uma dor

PROBLEMA 210
Desde ontem que tenho um número inusitado de cartas no meu correio electrónico (scp71@hotmail.com). As minhas queridas e os meus estimados leitores acharam por bem alertar-me para o problema 205. É opinião generalizada, nada favorável à minha pessoa, que sou um nabo. Que passar pela farmácia e limitar-me a ver o meu anjo da guarda através de um vidro é coisa de cobarde.
Minhas queridas e meus estimados: até sois capazes de ter razão, mas que posso fazer? Nem uma constipaçãozinha… o apetite está operacional… não estou gordo nem magro… os problemas na pele passaram… o dente podre resiste ao holocausto que é sentar-me numa cadeira de um dentista... e a alergia ao pólen nem vê-la. E as hemorróidas já eram. Está bem, está bem, queridas e estimados, mas a escova e a pasta de dentes, os preservativos, os cremes e a loção para a barba compro-os nos grandes espaços comerciais. É uma mania, que querem…Não sei se isto vos consola mas depois de ler as cartas que me enviaram fiquei com uma dorzita de cabeça…

24.9.04

Estados de alma

PROBLEMA 205
Solidário. Como compreendo as agruras do meu anjo da guarda atrás do balcão da farmácia. Afinal, há quanto tempo que só o vejo através do vidro?

PROBLEMA 206
Limitado. Nasci hoje às 07.26 e vou-me pôr às horas que Deus quiser. Mas daqui não vou para lado nenhum. Melhor sorte teve o Sol. Nasceu às 7.26 e o ocaso foi às 19.30. Foi pregar para outra freguesia.

PROBLEMA 207
Temperamental. Até ao fim da manhã, a minha vida esteve muito nublada. Depois, a temperatura subiu e não fosse um vento fraco ao final da tarde e o clima continuava muito quente. Para a noite, um súbito arrefecimento.

PROBLEMA 208
Cansado. Fui às Finanças às oito da manha e só sai de lá às17. Tive de comer apenas umas batatas fritas de pacote para não perder o lugar.

PROBLEMA 209
Desesperado. Assim de repente, até parece que fizeram de propósito. Tenho uma série de dívidas por saldar: umas almoçaradas e jantaradas apalavradas; ir ao cinema ver “A vida é um milagre”, de Emir Kusturica, “A Vila” de M. Night Shyamalan, “Segunda de manhã”, de Otar Iosseliani e “Terminal no Aeroporto”, de Steven Spielberg; ouvir o novo Elvis Costello, o novo dos Blue Nile, do Nick Cave, dos AMC (American Music Club) e no início de Outubro o mais recente do Tom Waits; encontrar "Viagem ao Fim do Meu Quarto", de Tibor Fischer; ir ao El Corte Inglês, em Lisboa, ao Clube del Gourmet, por causa de um frasco de javali em azeite e outro de perdiz de escabeche. E outras coisas mais que para aqui não são chamadas. NUNCA MAIS cai o ordenado no banco!

P.S. Previsão para o mês de Outubro: não vai ser fácil alimentar os caprichos do menino...

23.9.04

Temores. Filosóficos?

PROBLEMA 203
Temo que estes meus problemas sejam uma biografia-odisseia-representação-de-viver-tal-como-eu-penso-que-penso.

PROBLEMA 204
Temo, e hesito. Entre o Problema e o Absurdo. Problema é uma questão que se deve resolver. Absurdo resulta de uma contradição, de algo que não faz sentido. Suspeito que os meu problemas não são problemas devido ao absurdo deles próprios. A não ser que não sejam problemas aqueles que enuncio, mas juízos problemáticos. Ou seja, juizos que enunciem uma simples possibilidade.
Mas de quê?


22.9.04

Diálogos estranhos ou não

PROBLEMA 200
- Como estás, meu filho da Puta?
- Estou bem, filho da Puta, e tu?
- Eu também, filho da Puta. É bom ver-te.
- Que bom ver-te também, meu filho da Puta.
- Há quanto tempo não nos víamos, filho da Puta…
- É verdade. Somos mesmo uns filhos da Puta.

PROBLEMA 201
- Reparei que ele mexia os lábios enquanto lia o jornal.
- É para fingir que é ele a falar.

PROBLEMA 202
- Ele não anda bem
- Pois não. Deixou de ler! Agora come bem e bebe bem!
- O problema é que está a escrever um livro.
- Qualquer dia é atropelado pelas palavras.

21.9.04

Águas de bacalhau

PROBLEMA 199
A minha vida, de certeza, deve andar em águas de bacalhau. Só pode. Senão vejamos: anteontem fui almoçar com uma amiga e comi bacalhau cozido. Ontem, o almoço lá em casa foi...bacalhau cozido. Hoje de manhã fui a casa da mãe e...bacalhau cozido. Mas já decidi: amanhã não almoço. Pode ser que interrompa esta cadeia de acontecimentos...

Ilusão de óptica

PROBLEMA 198
Era pequeno e moço, e lá para as margens da Bairrada costumava comer na cozinha do restaurante, enquanto os meus pais, sentados à mesa, faziam uma refeição calma. A pestinha estava entretida. Devo dizer aqui que mesmo nesta minha idade já avançada não há prazer igual para um contente degustador como eu que comer na cozinha de um restaurante um estaladiço leitão, lambusado em molho picante, ajudado por umas estaladiças batatas fritas, e regado com um bom vinho verde. Não há benefício espiritual melhor. No fim, um whiskyzinho a acompanhar a nossa portuguesa bica e a sensação de plenitude muito próxima de ser atingida.

P.S. Texto escrito na cozinha de casa, a horas despropositadas, tendo pela frente três asas de frango assado, um pacote de batatas fritas e um copo de vinho tinto.

20.9.04

Sporting,0-Marítimo,1

PROBLEMA 197
Continuo a ter o mesmo problema em relação a José Peseiro. Não merece a minha simpatia, nutro por ele até alguma desconfiança. E mantenho a ideia convicta que com ele o Sporting não vai a lado nenhum. O problema é que este problema se acentuou hoje ainda mais depois da derrota em Alvalade com o Marítimo. Aquele sorriso que Peseiro ostenta contradiz o futebol triste da minha equipa. Que saudades de Bölöni do primeiro ano. Daquele que apresentava um rosto dilacerado quando o Sporting perdia e sorria quando a equipa jogava bem. E fomos campeões...


Pensar

PROBLEMA 196
Pensei que ia dormir durante 12 horas...

19.9.04

Sobre o esquecimento

PROBLEMA 194
Hoje em dia ninguém acredita à primeira. Hoje em dia a fé na desconfiança prolifera. Hoje é o meu caso: não estando certo de uma notícia do jornal, abri mais cinco exemplares para me certificar que a notícia era mesmo verdadeira, para irritação do dono da papelaria. Não satisfeito, comprei todos os jornais do dia afim de verificar se a notícia também aparecia, para regozijo do dono. O problema foi que me esqueci qual era a notícia.

PROBLEMA 195
Porque é que as actividades de dona e dono de casa, bons conversadores, amigos e amantes não são hoje as mais valorizadas?

18.9.04

O vazio

PROBLEMA 193
- Qual o caminho para Lisboa?
- Quer ir para Lisboa?
- Sim.
- Quer saber se deve seguir em frente ou virar à direita para chegar a Lisboa?
- Sim…
- Não sei.

Como treinar o seu ser humano (conclusão)

PROBLEMA 190
Uma das dificuldades que podem surgir quando se pretende ensinar um ser humano a ser comedido a fazer amor é a de que não se podem impedir os acidentes da noite. Por vezes, o ser humano porta-se muito bem durante o dia mas não é capaz de se aguentar durante toda a noite.

PROBLEMA 191
Se o seu ser humano mostra tendência para correr atrás de bicicletas, autocarros ou automóveis, ou para perseguir outros humanos, tem de se contrariar imediatamente essa tendência problemática.

PROBLEMA 192
O meu dono já está muito bem treinado. Custou ao princípio ele perceber que enroscar-me nas cadeiras, miar intensamente e colocar a língua de fora queria dizer que estava com fome. O problema foi quando ele aplicou estes princípios para a vida dele…

17.9.04

Tradições

PROBLEMA 189
Os gatos eram animais sagrados no Antigo Egipto. Quando um gato morria por causas naturais, os donos da casa tinham de barbear as sobrancelhas.

Mais olhos que barriga

PROBLEMA 188
- Eu vejo o que como. Qual o problema?
- Eu também. Mas também como o que vejo.

Desencontro

PROBLEMA 187
Se eu tivesse contracenado com Charlot, nunca teria existido a Segunda Guerra Mundial.

16.9.04

A múmia

PROBLEMA 186
Jamenel quer ser mumificado quando morrer. Está a investigar se a Lei o permite. Passou oito horas em duas instituições do Estado! E disseram-lhe para voltar amanhã.

O sentido da vida

PROBLEMA 185
- Mesmo que produzas uma grande obra literária, que continue a ser lida daqui a milhares de anos, o sistema solar acabará por arrefecer e todos os sinais do teu esforço desaparecerão.
- O problema é que ainda que exista justificações e explicações para a maior parte das coisas, nenhuma delas explica a finalidade da vida como um todo.
- Porque o todo não tem importância.
- Então, se o objectivo da vida é o túmulo, talvez seja ridículo levarmo-nos a sério. Talvez tenhamos de aceitar que somos ridículos.
- Eu sou...

15.9.04

Eu, tu, ele, nós, vós e eles

PROBLEMA 183
- Tens algum problema? Conta-me...

PROBLEMA 184
Do Relatório da População da ONU:
800 milhões de pessoas sofrem de malnutrição crónica e dois mil milhões não dispõem de segurança alimentar.
Mais de 350 milhões de casais não têm acesso a serviços de planeamento familiar.
Metade da floresta mundial já desapareceu. Trinta por cento do que resta está em perigo. Três quartos dos recursos de pesca marítima ou foram dilapidados ou estão em vias disso.
Os níveis de dióxido de carbono no ar são hoje 18 por cento mais elevados que em 1960.
O nível do mar subiu entre 10 e 20 centímetros, ameaçando ilhas costeiras.
Há cerca de 38 milhões de pessoas a viver com HIV.
Os EUA são, dentre os dadores [assistência aos países pobres] ricos, aquele que contribuiu com menos.


14.9.04

O galo e a galinha

PROBLEMA 182
Já tinha ouvido falar das célebres dicotomias zoológicas formiga/cigarra, leão/mosquito ou tartaruga/lebre, por exemplo. Desconhecia era a dicotomia galo/galinha. Até porque, à primeira vista, não se enquadra na filosofia dos exemplos atrás referenciados. Depois de uma fausta refeição, dirigi-me aos sanitários e vi-me confrontado com um problema. O “sexo” das casas de banho estava identificado com a figura de um galo e de uma galinha. O problema é que tais figuras eram tão semelhantes que eu fiquei na mesma. Pior: adiei a necessidade.

O problema do problema

PROBLEMA 181
Uma incursão na etimologia da palavra problema leva-me à seguinte descoberta: se no latim, quer dizer uma questão por resolver, já no grego antigo, problema significa também abrigo, veste, armadura com que alguém se protege, meio de defesa, muralha.

A vida

PROBLEMA 180
- Isto de comer e beber não devia ter literatura.
- ...
- Se o Homem conseguisse tamanha clarividência e amor nas palavras, o livro certamente não seria inventado
- ...

13.9.04

Como treinar o seu ser humano (continua...)

PROBLEMA 179
Quando brincar com o seu ser humano, não o excite muito nem o incite a lutar para conservar um objecto que ele tenha agarrado, muito menos tirar-lhe alguma coisa. Se o seu ser humano começar a ficar muito turbulento ou excitado intervenha com delicadeza antes de perder o controlo sobre a situação. As reacções violentas dão geralmente mau resultado. Chame-o pelo nome e faço o possível por o encorajar, com palavras e gestos, recompensando-o em seguida.

Eterno retorno

PROBLEMA 178
"Problema insolúvel: estou quebrado? Quase todos os sintomas falam disso (frieza, apatia, estado de nervos, dispersão, incompetência no trabalho, dores de cabeça, insónia); quase nada, mas só a esperança é contra." (Franz Kafka, Diários, 7 de Outubro de 1914).
O mundo, Franz, não mudou assim tanto.

12.9.04

V.Setúbal,2-Sporting,0

PROBLEMA 177
Com este Peseiro, o Sporting não vai a lado nenhum.

11.9.04

Abandono qualificado

PROBLEMA 176
Hoje, o meu 11 de Setembro, ou seja, o meu medo, é este: ao remexer numa gaveta deparei-me com um postal da Clínica Veterinária que supostamente já deveria ter conhecimento dele há bastante tempo. Para que conste:
"Exmo. Sr. António
Lembramos-lhe que chegou a altura de Vacinar/Desparasitar a Lili.
Para que a sua amiga continue feliz e protegida contra doenças (algumas poderão ser fatais), deve trazê-la à consulta Médico-Veterinária até 29/02/04.
Não se esqueça de trazer o Boletim de Saúde (Caderneta).
Com os nossos melhores cumprimentos. "

P.S. 29 de Fevereiro?! Este problema surge em simultâneo com um pré-aviso de “guerra” piscológica da minha sobrinha/afilhada Inês (ver problema 170). Estou a entrar em pânico. E agora? Ainda irei a tempo?

10.9.04

A ementa

PROBLEMA 175
Quando uma carta de refeição provoca um dilema.

Ementa do dia: Arroz de gambas
Favas com chouriço

Ementa de amanhã: Bacalhau com natas
Costeletas de borrego

Conclusão: Não querem que viva simplesmente

Restaurante

PROBLEMA 174
Cada vez que vou sozinho a um restaurante, por que será que tenho de ouvir sempre as mesmas perguntas. “Quantas pessoas? Uma? Vamos ver se lhe consigo arranjar uma mesa…Não está à espera de ninguém? Já quando vou acompanhado, o discurso é mais optimista. "Quantos são? Dois? Muito bem, escolha onde quiser".

O táxi

PROBLEMA 173
“Vá sempre em frente até encontrar uma rotunda. Contorna-a e siga até às bombas de gasolina. A seguir, vire à esquerda e depois à direita”. Isto sou eu a dar indicações quando vou de táxi para casa. O problema foi hoje a repreensão que ouvi: “É a quarta vez que o senhor me diz isso!”

As estrelas e o coração

PROBLEMA 172
Era o tempo em que olhava para as estrelas, de mão dada com a mãe, no Furadouro, e fazia perguntas a propósito do mistério do céu. “Como surgiu isto tudo?” “Haverá vida noutros planetas?” “De que são feitas as estrelas?” Agora, é tempo, quando temos tempo, de ouvirmos os corações de cada um a bater e ainda nos interrogarmos. Mas agora sobre cada um de nós. Sobre as estrelas cadentes em que nos vamos transformando.

9.9.04

O ocaso

PROBLEMA 171
Dia chuvoso. Ando muito pensativo. Partilho um vinho que nos ajuda a conhecer. A naufragar. Ouço lamúrias. Chove nas casas. Os filhos crescem. Corre o medo pelas cidades. Em breve. O quê? Não sei. O sol nasce às 7.14, o ocaso é às 19.53. E tudo vai recomeçar.

8.9.04

O Sol

PROBLEMA 170
Porque os problemas também são milenares. A cápsula carregada de partículas de vento solar da sonda Génesis falhou. Parece que o pára-quedas não abriu ­­ (eu sei o que é isso. Hoje estou num daqueles dias em que o meu pára-quedas não abriu, espatifei-me e deixei que os meus pensamentos se contaminassem....). Agora é esperar para saber se as amostras foram ou não contaminadas pelo ar terrestre, para que possam ou não ser analisadas. (Shakespeare bate à minha porta e entrega-me uma carta registada. Remetente: mistérios insondáveis do coração humano. Data: desconhecida. Contéudo: "Nós sabemos o que somos mas não sabemos o que podemos vir a ser”)

7.9.04

Como treinar o seu ser humano (continua...)

PROBLEMA 169
A minha gata incentivou-me a continuar “como treinar o seu ser humano”. Hoje vou falar de um problema recorrente do qual tenho ouvido muitos desabafos. Há muita gente que receia ter um ser humano porque está convencida de que é muito difícil, demorado e aborrecido ensiná-lo a ser asseado dentro de casa.

6.9.04

Dor de cabeça

PROBLEMA 168
A minha cabeça tremeu hoje duas vezes. A intensidade dos pensamentos foi forte e forçou-me a suspender a escrita. Fui abalado por um telefonema do meu banco a dizer que me tinham retirado uma quantia elevada da minha conta a crédito, possivelmente alguma falsificação, e por uma carta que recebi da seguradora a lembrar-me que tenho dois meses em atraso. O primeiro abalo verificou-se às 10.17, o segundo sismo ocorreu às12.14. Não há registo de danos graves, apenas ferimentos ligeiros. Resta o problema de que liguei a televisão, fiz um zapping pelos noticiários e nenhum deles falou do ocorrido.

5.9.04

Teste

PROBLEMA 167
O que fazer com os meus problemas?

1) Ponto final (.)
Coloca-se no fim de um período, para indicar que o sentido está completo. Deve-se por isso fazer uma pausa mais demorada.

2) Reticências (…)
Indicam que ficou incompleto o sentido, deixando à imaginação dos outros a interpretação da supressão.

3) Travessão (-)
Chamar a atenção para o que se segue ou indicar, nos diálogos, a mudança de interlocutor.

4) Vírgula (,)
Indica uma pequena pausa.

Nota: Deixe a resposta no comentário e passe a outro. Daqui a uma semana tirarei as conclusões.

A propósito

PROBLEMA 166
A propósito dos comentários que aqui colocam, já não sei onde está o que escrevo. Se no que escrevo ou no que escrevem a propósito do que escrevo.

Corpo

PROBLEMA 165
Quando olhar para o espelho daqui a uns anos e vir o meu estado físico que irei pensar?

A estupidez e a lucidez dos problemas dos outros que afinal também são ene (secção nova para acompanhar com interesse relativo)

PROBLEMA 164

"Só me apetece rir, quando tenho problemas"
Bagão Félix, ministro das finanças

"E se inicialmente foi o Primeiro-Ministro que usou os media para moldar a sua imagem, são agora os media que moldam a imagem do Primeiro-Ministro. É este o grande problema de governar para os media: fica-se inteiramente dependente da imagem que eles passam...
Bruno Alves, "Desesperada Esperança"

4.9.04

Jamenel amou Mesebel

PROBLEMA 163
Há cinco dias que Jamenel não faz a cama. Os lençóis estão amarrotados e um ninho fazem. Jamenel amou Mesebal como se de morrer se tratasse e não quer regressar.

3.9.04

Que é feito do meu anjo da guarda?

PROBLEMA 162
Os anjos da guarda também têm direito a férias? O meu parece que sim. Vou ter de adiar a ida à farmácia. A propósito, ontem encontrei quem me disse, com um sorriso largo: "Não trabalhei, não descansei, não tive férias..." Pois é. Fui logo arranjar um anjo da guarda conservador...

2.9.04

Como treinar o seu ser humano (continua...)

PROBLEMA 161
No mundo dos nossos dias, ter um ser humano tanto pode ser um prazer como uma calamidade. A alternativa depende em grande medida do facto de o ser humano ter ou não ter sido convenientemente ensinado, de forma a poder integrar-se na estrutura social da comunidade em que vive.

1.9.04

O reencontro

PROBLEMA 160
-Tens um cabelo na boca. Deixa-o tirar…
-Sim.
-Há quanto tempo não falávamos?
-Há cinco anos…
-Estás bem?
-Estou. E tu?
-Também.
-Obrigado por esta surpresa!