31.8.05

bloco de apontamentos

PROBLEMA 786. Perdi o meu bloco de apontamentos onde tinha anotado o problema do dia. Tenho de esperar. Sei que tenho de esperar. Pode ser que me lembre. Mas tenho pouco tempo. Amanhã entro de férias e não é gralha.

30.8.05

Escrita

PROBLEMA 785. Hoje não escrevo. Não me me importava que isso acontecesse mais vezes. Não tenho muita consideração pelos meus problemas.

29.8.05

1+1=1

PROBLEMA 784. Todos os problemas são sempre escritos no dia seguinte. Tenho duas vezes o mesmo problema.

28.8.05

Insónia

PROBLEMA 783. Espera-me uma insónia do diâmetro do mundo. Do diâmetro?! Eu escrevi do diâmetro do mundo?! E espera-me uma insónia?! Como é que eu sei?!

27.8.05

Ainda o meu abcesso

PROBLEMA 782. O meu abcesso é a grande metáfora da nossa época onde tudo acontece por um processo de contaminação.

26.8.05

O meu abcesso

PROBLEMA 781. Abscesso (abcesso) vem do latim abscessus, termo empregue pela primeira vez por Celsus em substituição à apóstema, palavra grega que designava as supurações e cujo sentido era o de separação e eliminação dos maus humores.

25.8.05

O nosso problema

PROBLEMA 780. O nosso problema é levarmo-nos demasiado a sério. Esta país gasta muito tempo e energia com bengaladas queirosianas, tenho muito apreço por si mas você é um asno, estão a ver? E depois falta sempre eficácia. Diz-se muita coisa, mas resultados, népia. Mas há as festinhas, o cor-de-rosa que nos faz deixar estar distraídos, como aquele spray que uso para disfarçar a dor de dente que não me larga. Enfim, somos como uma equipa de futebol que joga bonito mas não ganha. Somos quase um país.

Ideias

PROBLEMA 779. Perante a ideia de um universo preestabelecido, com regras e tais, nunca conseguiremos estabelecer uma ideia nova. Saberá sempre a qualquer coisa prepensada. E assim segue o mundo. Cantando e rindo.

Naufrágio

PROBLEMA 778. Essa sensação de que as coisas não podem durar para sempre tive-a em Veneza. Temos todos dentro de nós um naufrágio a que não sobreviveremos.

24.8.05

A máscara

PROBLEMA 777.aprenda08
E de repente surgiste numa esquina de Veneza. Quem és tu? Sou uma máscara. Quem és tu? Se é que és real.

Veneza

PROBLEMA 776. VENEZA

Isto é o efeito depois de ter estado cinco horas em Veneza ("Quando cheguei a Veneza, descobri que meu sonho havia se tornado inacreditavelmente mas simplesmente meu endereço", Marcel Proust.) Caminhar por aquelas ruas e atalhos estreitos e labirinticos e navegar de barco ou gôndola deixaram-me rendido. Mais: uma cidade sem carros, motos ou autocarros e onde o génio do Homem tudo improvisou para que o espectáculo da vida aconteça. Por exemplo: é quando as águas sobem que acabo por compreender o porquê da Basílica de São Marcos ter o primeiro degrau tão alto. Nas lojas, surgem de pronto rampas e canaletas para que a água não prejudique os produtos. E as pessoas deslocam-se de barco para realizar as suas compras, ou, como vi, servem-se de embarcações para fazerem mudanças de casa. Tudo acontece diariamente de forma costumeira. Se é que Veneza é real.

O meu amigo escritor

PROBLEMA 775. escritor

É nos textos curtos e por vezes fragmentários que ele se encontra. Esboços inacabados, inquietantes e perto do absurdo. Eu bem insisto para ele escrever histórias de era uma vez...

23.8.05

O problema

PROBLEMA 774. Os hóteis têm estas coisas boas, uma bíblia sempre na gaveta do quarto na língua do país de origem e algumas vezes pequenos apontamentos esquecidos. A mim calhou-me uma citação deixada numa das gavetas. «O que é requerido é uma nova criação imaginária que não tenha comparação possível com o passado, uma criação que coloque no centro da vida humana outros objectivos no respeitante à expansão da produção e do consumo e que os reconheça como válidos para os seres humanos. Isto exige, evidentemente, uma reorganização das instituições sociais, das relações de trabalho, das relações económicas, políticas, culturais. Ora este objectivo está muito longe do que pensam e, provavelmente, do que desejam os homens de hoje. Esta é a enorme dificuldade que temos pela frente. Devemos querer uma sociedade na qual os valores económicos deixem de ser centrais (ou únicos), na qual a economia seja remetida para o seu lugar de simples meio da vida humana e não o seu fim último» (Cornelius Castoriadis, La montée de l’insignifiance, in Les carrefours du labyrinthe IV, Seuil, Paris, 1996

O susto

PROBLEMA 773. Já não se pode dormir uma soneca num avião. A caminho de Itália, apenhei um susto valente. Quase que batia com a cabeça no tejadilho. Passámos por um poço de ar, o avião caíu de repente algumas centenas de metros e mais de repente ainda subiu outros tantos. Agora percebi quando nos sentimos deprimidos e dizemos que fomos ao fundo do poço.

22.8.05

Mapa do cérebro

PROBLEMA 772. Os cientistas já conseguiram elaborar um mapa do cérebro, localizando diversas regiões responsáveis pelo controle da visão, da audição, do olfato, do paladar, dos movimentos automáticos e das emoções, entre outras. No entanto, pouco ainda se sabe sobre os mecanismos que reagem o pensamento e a memória. Bem que andava desconfiado por ter estes problemas todos. Mas caramba isto tem de acabar.

21.8.05

Deserto

PROBLEMA 771. Vou-me embora, para Itália. Mas tenho de voltar quarta-feira e continuar a trabalhar. Estou quase morto no deserto e as férias aqui tão perto.
P.S. Faltam nove dias...

20.8.05

No tempo em que os animais falavam (2)

PROBLEMA 770. cara%20e%20macaco.1
Pffff! Tantos problemas estes gajos humanos têm...Os nossos são bem menores.

A lua

PROBLEMA 769. A lua está vermelha. De ódio. De rancor. De dor. De sangue. De paixão. Está um país a arder.

19.8.05

Grau zero

PROBLEMA 767. Que horas são? Perdi-me...

PROBLEMA 768. Preciso do livro. Qual livro? Esqueci-me...

18.8.05

Um rato

PROBLEMA 766. O rato roeu o fio da meada e tudo se complicou.

17.8.05

No tempo em que os animais falavam (1)

PROBLEMA 765. peixe
Não vale a pena tentar criar o meu próprio mundo se tenho a sensação de a minha existência estar a ser controlada.

16.8.05

Pressa

PROBLEMA 764. Estou com pressa, mas o comboio também pára.

A mosca

PROBLEMA 763. Não me consigo ver livre de uma mosca. Deve ser do calor.

15.8.05

Busca

PROBLEMA 762. O que torna tudo isto tão vulnerável é a velocidade com que vivemos o dia-a-dia. Não quero ser triste, não quero ser alegre. Nem quero ser estanque.

14.8.05

Comunicação

PROBLEMA 760. Apetece-me trocar as palavras por outra coisa qualquer. Mas não sei o quê.

PROBLEMA 761. A comunicação no século XXI baseia-se cada vez mais na tecnologia.

13.8.05

Hoje estou assim (21)

PROBLEMA 759. Assim como? Quem sou eu afinal nesta fotografia?
NYC27787

12.8.05

Estranhos passageiros

PROBLEMA 758. Uma lagosta sentou-se hoje ao meu lado no comboio. Uma girafa saíu na mesma estação que eu. Um macaco perguntou-me as horas. Que se passa comigo hoje?

11.8.05

Férias

PROBLEMA 757. Ainda me faltam 20 dias para ir de férias. Estou com pouca disposição para esperar tanto tempo mas não posso fazer nada. Como se estivesse preso dentro de uma gaiola. Ou como se estivesse como a minha gata de cada vez que espreita para fora da porta de casa, hesita em dar o passo lá para fora e assusta-se quando ouve o barulho do elevador a subir ou a descer.

10.8.05

desordem

PROBLEMA 756. Sentir a assombrosa desordem das coisas na sua relação com o pensamento...

9.8.05

A felicidade

PROBLEMA 755. Viver sempre perfeitamente feliz também cansa. E no entanto é possível viver perfeitamente feliz. Basta ter a capacidade de ficar indiferente perante as coisas que mais coisa ou menos coisa acabam por se tornar indiferentes com o tempo. Só que isso não tem graça nenhuma. É chato, aborrecido. É efémero. Pronto. Ao fim destes anos todos já sei que sou eu que formo o meu juízo disparatado sobra as coisas que me rodeiam , aliás, tenho um poder tamanho que até já as posso apagar de repente. E ser perfeitamente feliz. Mas que graça tem isso?

testes d'alma

PROBLEMA 754. E se de tanto reclamar o silêncio ficasse com a televisão avariada, a aparelhagem de música sem som, o computador mal configurado, o dvd do computador inactivo? Que seria de mim? Estes testes d'alma deixam-me a pensar...

8.8.05

A dúvida

PROBLEMA 753.
- Não sei como consegues ter problemas todos os dias.
- Nem eu. Talvez não sejam problemas. Talvez. Nem eu sei.

7.8.05

Silêncio

PROBLEMA 752. Por vezes, a maior parte das vezes, deixo este blog morrer um bocadinho, deixo-o ao abandono, ao silêncio. Mas há sempre um dia, um impulso qualquer, em que recupero qualquer coisa ou qualquer coisa recupera a minha consciência e faço-o retornar à vida. O problema é que eu também sou assim. Feito para longos silêncios...

6.8.05

Mental

PROBLEMA 751. Se eu deitar cá para fora todo o universo que tenho dentro da minha cabeça é o fim. Não de mim, mas do meu universo!

5.8.05

Dia não

PROBLEMA 749. As mudanças de humor...

PROBLEMA 750. Como toda a gente, presumo, também tenho os meus segredos dificilmente partilháveis. Nada mais problemático do que os intrusos.

4.8.05

O cheiro

PROBLEMA 748. Que merda de cheiro é este que trazes contigo, dizes tu. Cheiro a pinheiro queimado, que queres, respondo eu. Ando com ele pegado à roupa. Estás a querer me dizer que as lavandarias também servem para nos esquecermos das coisas? Se calhar, é por causa disso que cada vez mais há incêndios, digo eu com algum exagero. Passamos a vida a esquecer.

3.8.05

A cerveja e o calor

PROBLEMA 747. Este calor faz-me sofrer de uma tremenda perda de líquidos. Uma cerveja...duas cervejas...três...hoje estou metido num ciclo vicioso.

2.8.05

A caixa de correio

PROBLEMA 746. A minha caixa de correio é um problema. Hoje tinha este desenho lá dentro. Não sei de quem é.Sem título

1.8.05

Hoje estou assim (20)

PROBLEMA 745.

SERENDIPITY* (corrigido)

(o problema são os os outros: "Estás quê?! Serendipitious?! Estás doente?! Ele diz que está serendipitious. Coitado!")

*Le phénomène ou la capacité de faire des trouvailles précieuses par hasard.