18.4.06

O absurdo

PROBLEMA 983.Tudo se passa como se o gato me tivesse comido a língua e voltasse de noite para me sussurar palavras ao ouvido enquanto durmo. Por isso tenho uma voz aqui dentro que não se cala. E que inventa. Porque não tem nada para contar.

PROBLEMA 984. Quase a dar por encerrado os meus problemas, ou os meus problemas a darem-me por encerrado, não sei, é que descubro que a única coisa que resta em mim é uma voz que fala, sem identidade e sem determinação de espaço e tempo. Sou, por isso, um débito de palavras infinito na lógica gigantesca que é o monólogo do universo

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

gosto dos teus problemas,deveria escrever problemas todos os dias não te entendo,e,olha que falamos a mesma lingua,vai entender a cabeça das pessoas, não entendo nem a minha.

18 abril, 2006 19:30  

Enviar um comentário

<< Home